O que o teatro me ensinou (1) – Foco

Crédito da imagem: http://sxc.hu

 

           Se tem algo que o teatro me ensinou é que há muitos pontos de contato entre religião (rituais), filosofia, vida e os mecanismos da arte teatral.

             Peço permissão para uma breve introdução de ordem esclarecedora.

         Desde meus 18 anos, aproximadamente, sou assumidamente agnóstica. Isso não me afasta, de modo algum, de leituras que tragam filosofias voltadas para o bem. Consigo separar o conceito religioso de algumas filosofias e religiões do que realmente vale a pena nelas para mim. E assim, lá pelos 22 anos, li um livro chamado Profecias Celestinas. Resumidamente, trata-se de uma história fictícia sobre um manuscrito encontrado no Peru que continha nove profecias que levariam a humanidade a um outro modo de viver. O livro tem uma narrativa agradável e me encantei pelas profecias. Pronto, vamos ao primeiro aprendizado que o teatro me trouxe.

             Anos depois, fazendo um curso livre de teatro, com Maria Luiza Prates, nos foi passado um exercício que consistia em dois grupos, aos quais foram dadas circunstâncias para um improviso, estarem ao mesmo tempo em cena, dividindo o palco. Cada grupo tinha um número, 1 ou 2, e ambos iniciavam o exercício improvisando sobre sua circunstância. A professora dizia um número, o que entraria em foco, enquanto o outro deveria manter-se na circunstância, mas fora do foco, contendo, baixando o volume, o que fosse, mas deixando o foco para o número chamado. Durante o exercício os grupos entravam e saiam do foco ao comando da professora.

 

Foco-Ripas x Paisagem

Foco-Paisagem x Ripas
Crédito das imagens: http://sxc.hu

 

             Praticando esse exercício, me veio imediatamente à memória uma das profecias do livro acima citado, que falava exatamente sobre perceber quando a energia em um círculo estava com você (sua vez de colocar suas opiniões, sua vez de falar) e quando passava para o outro (sua vez de escutar).

             Atualmente noto uma falta absurda dessa percepção em todos. E quando falo TODOS, não me excluo. A diferença é que com essas referências aí, não ignoro totalmente quando fico meio surda e tento dar um zoom out na minha percepção, evitando passar à frente da energia dos outros. Quando estou com raiva, ou muito empolgada é mais difícil, mas fico atenta.

             Foco-Guitarra corpo

Foco-Baixo braço
Crédito das imagens: http://sxc.hu

          Sempre que vejo alguém (e como vejo) que não tem a mínima noção de zoom out (não consegue enxergar muito além de seu próprio umbigo), que não consegue perceber que está invadindo o momento do outro de se colocar, penso que todos deveriam fazer aula de teatro em algum momento da vida, e passar pelo exercício de foco.

            Alguns filósofos antigos já falavam dessa questão, de formas diversas. Uma busca rápida na internet e veremos frases como:

-A palavra vale prata, o silêncio vale ouro – Provérbio chinês

-Tu é senhor do teu silêncio e dono da tua palavra. – Provérbio Romano

-Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir e estudar. – Provérbio Árabe

-Temos duas orelhas e uma só boca, justamente para escutar mais e falar menos. – Fenon de Citon

-Quando falares, cuida para que tuas palavras sejam melhores que o silêncio. – Provérbio Indiano

-Duas coisas indicam fraqueza: calar-se quando é preciso falar, e falar quando é preciso calar-se. – Provérbio Persa

-Se eu for falar por dez minutos, eu preciso de uma semana de preparação; se quinze minutos, três dias; se meia hora, dois dias; se uma hora, estou pronto agora. – Woodrow Wilson

-Quando estiver zangado, conte até dez antes de falar; se estiver muito zangado, conte até cem. – Thomas Jefferson

-O sábio, para falar, antes medita o que dizer, ou a quem dizer, em que lugar e tempo. – Santo Ambrósio

-É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do quer falar e acabar com a dúvida. – Abraham Lincoln

-Pensar é um mistério, falar outro, o homem não passa de um abismo. – Jaime Balmes

-Os que mais falam geralmente são os que menos dizem, pois são estes os mesmos que menos ouvem. – Ivan Teorilang

-Quem aprende a ouvir com atenção aprende a falar com proveito. – Emmanuel

-Cumpre falar com simplicidade das idéias complicadas e com sutileza das idéias simples. – Jean Cocteau

Atenção: Frases colhidas na internet, para exemplificação, não confirmo a autoria atribuída.

        Pode-se perceber que, independente da nacionalidade, o que envolve também a religião dos autores, é unanime a percepção sobre saber ouvir e saber falar, ou calar, e principalmente, QUANDO calar.

Foco. Primeiro aprendizado do teatro para usar na vida.

 Até.

Anúncios

2 comentários sobre “O que o teatro me ensinou (1) – Foco

  1. Sempre falei que todos independente da profissão deveriam fazer teatro exatamente esse texto, outra visão da vida, companheirismo nos exercícios, energias e pensamentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s